Andreza de Oliveira Andrade

Graduada em História pela Universidade Estadual da Paraíba, mestre em História pela Universidade Federal da Paraíba. Professora adjunta1 do Departamento de História da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, onde atualmente chefia o departamento de História em Assu. Tem um histórico de trabalhos junto à comunidade onde a UERN está inserida, desenvolvendo atividades extensionistas voltadas para a promoção dos direitos humanos por meio da educação com ênfase no debate sobre gênero, sexualidade e diversidade cultural na escola. Tem colaborado com o Movimento de Mulheres Camponesas no Rio Grande do Norte e com o Movimento Indígena. Pesquisa sobre ensino de história, gênero, sexualidade e história das mulheres.

Átila Tolentino

Graduado em Letras Português pela Universidade de Brasília – UnB. Possui especialização em gestão de políticas públicas de cultura pela UnB e mestrado em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba. É da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental do Ministério do Planejamento, com atuação no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura. Coordena as atividades da Casa do Patrimônio da Paraíba, programa de educação patrimonial vinculado à Superintendência do Iphan na Paraíba.

Daniel Luna

Arqueólogo do Instituto Cobra Azul de Arqueologia e Patrimônio, possui mestrado em Arqueologia Pela Universidade Federal de Pernambuco e Graduação em História pela Universidade Estadual do Ceará. Desenvolve pesquisa sobre grupos horticultores ceramistas pré-históricos do nordeste do Brasil e com comunidades indígenas do Ceará. Foi coordenador do Núcleo de Arqueologia e História Indígena, das Faculdades INTA, onde orientou, dentre outras, pesquisas monográficas abordando a etnogênese dos grupos indígenas do Ceará.

Francisco Janildo Sobrinho

Graduado em História pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/UERN. Possui Especialização em História do Brasil República pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. É mestre em Ciências da Educação pela Universidad Autónoma del Sul – UNASUL – Py e Doutorando em Ciências da Educação em andamento pela Universidad Autónoma de Asunción – Py. É da carreira de professores das redes públicas de ensino Municipal e Estadual atuando no ensino fundamental e médio e tem se especializado em estudos sócio-histórico-culturais com ênfase em Patrimônio Histórico Local e Regional, perpassando pelo viés do estudo de formação histórico-antropológica e arqueológica do Estado do Rio Grande do Norte e da Região antes conhecida como a Ribeira do Açu com área de abrangência entre Açu-Ipanguaçu-Pendências-Alto do Rodrigues e Macau. Desenvolve trabalhos de pesquisa de fatos históricos ligados ao cangaço de Virgulino Ferreira – Lampião e pesquisas ligadas à existência de sítios arqueológicos na região da Ribeira do Açu, bem como a preservação e tombamento do Patrimônio Histórico e Cultural do Município de Ipanguaçu/RN.

Heraldo Alves (Preá)

Liderança indígena dos Jenipapo Kanidé, mateiro, artesão, Coordenador da Pousada Comunitária e Museu Indígena Jenipapo Kanindé. Articulador da Rede Indígena de Memória e Museologia Social e da Rede Cearense de Turismo Comunitário – TUCUM.

João do Cumbe

Mestre em Educação Brasileira (2014), pela Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação – FACED/UFC; Linha Movimentos Sociais, Educação Popular e Escola; Eixo: Sociopoética, Cultura e relações étnicorraciais. Graduando Licenciatura em História com ênfase em Educação do Campo e Questão Agrária – PRONERA, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA (2015). Especialização em História e Cultura Africana e dos Afrodescendentes para Formação de Professores de Quilombolos (2011), pela Universidade Federal do Ceará – UFC e Especialização em Museologia (2010); Faculdade Vale do Jaguaribe – FVJ. Possui graduação em Ciências da Religião pela Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA (2008). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem. É membro da Associação Quilombola do Cumbe/Aracati – CE, onde desenvolve ações comunitárias como condutor de trilhas ecológicas, turismo comunitários e é um dos organizadores da Festa do Mangue do Cumbe, atividade em defesa do ecossistema manguezal e do território tradicional.

João Paulo Vieira Neto

Mestre em Preservação do Patrimônio Cultural pelo Programa de Especialização em Patrimônio – PEP/IPHAN (2011). Graduado em História pela Universidade Federal do Ceará (2005). Atualmente é Assessor da Rede Indígena de Memória e Museologia Social, Coordenador da Rede Cearense de Museus Comunitários e do Projeto Historiando, um programa educacional que visa historiar bairros e comunidades (indígenas e tradicionais), realizar pesquisas coletivas sobre a história e o patrimônio local, e estruturar museus comunitários a partir da articulação política em torno da memória social. De 2013 a 2016 atuou como Consultor da Organização dos Estados Ibero-americanos, OEI, Brasil junto ao Programa Pontos de Memória / Instituto Brasileiro de Museus / Ministério da Cultura. Com experiência nas áreas de História e Patrimônio Cultural, desenvolve trabalhos relacionados às temáticas seguintes: história, memória social, educação para o patrimônio, etnicidade, museologia, museus indígenas e comunitários, gestão de políticas culturais, gestão museológica e preservação do patrimônio cultural.

Larissa Isidoro Serradela

Mestra em Antropologia, pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal da Paraíba- PPGA/UFPB (2016) e Bacharela em Artes Visuais (Pintura, Gravura e Escultura), pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo (2008). Tem experiências nas áreas de Arte/Educação, Performance e Educação Patrimonial, em processos de ensino-aprendizagens, produção de materiais didáticos, afirmação de identidades e espaços de sociabilidades, em especial atuando com populações indígenas e quilombolas. Como artista-pesquisadora transita por produções artístico-culturais na realização de mediações artísticas em diferentes eventos, assim como na produção de medidas de transmissão de saberes e na promoção da visibilidade pública de mestras (es) de tradição oral e grupos étnicos. É uma das coordenadoras da ação “Do Buraco ao Mundo”, realizada com o “quilombo-indígena” Tiririca dos Crioulos/ PE e integrante do grupo de pesquisa Núcleo de Antropologia da Arte (N.A.d.A), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro- UERJ.

Lucia Maria Tavares

Liderança indígena dos Paiacus de Apodi; idealizadora do Centro Histórico Cultural Tapuias Paiacus da Lagoa do Apodi, do Museu do Índio Luiza Cantofa e da Biblioteca Tuchaua Itaú. Atua no movimento indigenista no Rio Grande do Norte e na Rede Indígena de Memória e Museologia Social do Brasil.

Maria Aldeiza da Silva

Graduada em História e Especialista em Educação pela Universidade Estadual do Rio Grande do Norte. Mestre e Doutora pala Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Graduanda do Curso de Pedagogia a Distância (UFRN). Professora da rede estadual de ensino do RN, atuando como Técnico Pedagógico (SEEC/RN). Atua como pesquisadora e realizadora no campo da memória e da cultura popular, especialmente sobre o teatro de bonecos do RN, com a obra do mestre mamulengueiro Chico Daniel, e sobre os dramas cantados, com a memória de vida da mestra Chiquinha Pessoa, em Itajá. Participa da Rede de Pontos de Memória e Museus Comunitários do RN. Atualmente exerce as funções de docente e de Direção Acadêmica no ensino superior, na Faculdade do Complexo Educacional Santo André – FACESA, em Assú/RN.

Nivaldo Aureliano

Doutor em Ciências Biológicas (UFPB), com Mestrado em Ciências Sociais (UFCG), reflete sobre temáticas envolvendo povos indígenas e comunidades quilombolas, abordando aspectos de delimitação territorial, conflitos socioambientais, patrimônio, identidade e processos de ensino-aprendizagem. Atua como antropólogo em relatórios de delimitação territorial de comunidades quilombolas nos Estados da Paraíba e Bahia. É um dos coordenadores da ação de Educação Patrimonial “Do Buraco ao Mundo”, uma iniciativa de gestão compartilhada do patrimônio do quilombo-indígena Tiririca dos Crioulos (Pernambuco). Atualmente é Mestrando em Educação, Culturas e Identidades (PPGECI-FUNDAJ/UFRPE).

Raimundo Melo

 

Raimundo Melo é formado em Letras com Pós-graduação em Ciências Sociais. É educador com atuação nos níveis de ensino médio, superior e da educação popular. Fotógrafo documentarista e realizador audiovisual é o idealizador e coordenador da RPTV – Rede Potiguar de Televisão Educativa e Cultural, experiência que já conquistou vários prêmios regionais e nacionais. Desenvolve projetos com uso da imagem nas áreas da educação, cultura, memória e patrimônio imaterial. É um dos fundadores e diretores do Centro de Documentação e Comunicação Popular – CECOP e do Museu Nísia Floresta. Exerce ainda a função de articulador e coordenador da Rede de Pontos de Memória e Museu Comunitários do Rio Grande do Norte.

Talita Barbosa de Souza

Talita Barbosa de Souza é graduada em Nutrição pela Universidade Potiguar e pós-graduanda em Nutrição Clínica e Funcional. Desde 2008 atua no Terceiro Setor desenvolvendo projetos sociais nas áreas da arte, cultura, comunicação e desenvolvimento sustentável.Em 2014 assumiu a coordenação pedagógica do Projeto RPTV – Educação, Cultura e Comunicação patrocinado pela Petrobras e integrou-se a equipe gestora do Museu Nísia Floresta onde também desempenha a função de Educadora Social. Em 2015 assumiu a coordenação da Ong CECOP – Centro de Documentação e Comunicação Popular, onde participou da elaboração do Projeto Prêmio Ponto de Memória Mestres da Cultura Popular aprovado pelo Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM. Foi premiada com o edital Agente Jovem de Cultura pelo Ministério da Cultura, também integra a Comissão Estadual da Rede de Pontos de Memória e Museus Comunitários do Rio Grande do Norte.

Sônia Rampim Florêncio

Possui graduação em Ciências Sociais pela UNESP – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1988), especialização em Sociologia Rural pela UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas (1993), especialização em Políticas Públicas de Proteção e Desenvolvimento Social pela Enap – Escola Nacional de Administração Pública(2013) e mestrado em Educação pela UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas (2003). É Técnica em Educação desde 2006 e Coordenadora de Educação Patrimonial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, desde 2011. Antes do trabalho no IPHAN, atuou como professora de educação básica e superior em Tatuí – SP e Araraquara – SP – . Também é membro do ICOMOS Brasil – Conselho Internacional de Monumentos e Sítios.